quarta-feira, 25 de outubro de 2017

A Partida Alien



Olá pessoal, tudo bem com vocês?


Conhecem o site Recanto das Letras? Para quem não conhece, é um site onde escritores amadores e profissionais se revezam na publicação de textos, que vão desde artigos, passando por contos e indo até mesmo à entrevistas. O meu espaço favorito, como não poderia deixar de ser, são os contos de ficção científica, nessa sessão há outros tipos de contos, como os famigerados contos de amor, temos contos policiais, de fantasia, mistério, terror, e outros mais, depende da sua predisposição e gosto para isso.  É um site movimentado, quase todo dia tem texto novo por lá, já eu, em quase um ano de cadastro, tive apenas dois textos, ambos contos de ficção científica. Um deles é enorme! Nem sei se poderia ter classificado ele como conto, pois no geral contos são concisos e com finais imprevisíveis, o meu texto está mais para uma história de ficção, não exatamente para um conto. Já o meu segundo conto no Recanto das Letras, está sim para uma narrativa que se encaixa em tudo aquilo que se entende como conto e, é um pedaço desse texto que colocarei aqui como introdução, para quem tiver interesse em prosseguir com a curta leitura, possa clicar no link abaixo dessa minha explanação e curtir o conto que escrevi.

Ai você me diz: Mas Fabrício, o que isso tem a ver com Othello e Reversi?! Você gosta de estratégia, tática, empatia e de surpreender o adversário no jogo? Então esse conto é sim para você. :)

Boa Leitura, e Obrigado.



"A Partida Alien


Era por volta das 4h30 da manhã quando repentinamente uma enxurrada de sinais de rádio inundaram os receptores do Centro de Busca por Vida Extraterrestre, além da peculiar corrente neutrina que fizeram alguns detectores de partículas quase torrarem os circuitos. Todo o sistema de inteligência artificial quântica perscrutava detalhadamente cada feixe de combinações de sinais que advinham de, o que parecia ser, um globo com um raio de 15 metros, que estava a aproximadamente 293.517 km de distância do planeta e, se movia numa incrível velocidade em torno do nosso planeta. Ao que parece que nossa IAQ decifrou, o objeto se manteve invisível até que por conta própria, se descamuflou e enviou sinais propositalmente direcionados aos nossos receptores. Nossa civilização já conhecia os métodos e estratégias de comunicação de um séquito de espécies alienígenas através do Cosmos..."


Para Continuar Lendo, Clique no Link Abaixo:

http://www.recantodasletras.com.br/contosdeficcaocientifica/6143181

domingo, 22 de outubro de 2017

A Mais Plausível Origem do Jogo Othello



Othello History

Vamos lá, o Othello foi inventado por Goro Hasegawa no Japão, logo após o final da guerra em um mundo devastado pelos horrores que somente uma guerra pode causar, diz que o mesmo criou o jogo usando de início tampinhas de garrafas de leite como peças, numa placa de jogo qualquer. O jogo lembrava um pouco o famoso jogo de tabuleiro chinês: “GO”, por usar padrões pretos e brancos de cores de peças, diz-se que o jogo foi um sucesso entre seus colegas de classe. Após anos e anos, quando estava trabalhando em uma empresa, ele relembrou do jogo que havia criado, refez o mesmo protótipo com peças de tampinhas de garrafas de leite e apresentou a uma fábrica de brinquedos, no caso a Tsukuda Original e, a mesma vingou! E em 29 de abril de 1973 foi batizado esse novo jogo com o nome de “Othello©”, ideia essa de seu pai, o senhor Shiro Hasegawa, que era um especialista em literatura inglesa, e achou similaridade entre a dinâmica e cores do jogo com o que acontecia na trama escrita pelo autor William Shakespeare, intitulada: “Otelo, o Mouro de Veneza”, detalhes como as cores preto e branco do jogo (General Otelo que era negro, e Desdemona sua esposa branca) as intrigas e reviravoltas entre os personagens, junto ao fundo verde do tabuleiro que mais se parecia com os campos verdes ingleses onde a trama decorria, fizeram jus ao nome do jogo. Teve grande impacto no Japão e, em 1977 foi lançado nos Estados Unidos pela Gabriel Industries, sob licença da Anjar.co do norte-americano Jim Becker e, teve incríveis 1 milhão de cópias vendidas apenas nesse ano! Em 1977 também tivemos o primeiro Campeonato Mundial de Othello, que teve cinco nações diferentes nessa primeira edição que consagrou o jogador japonês Hiroshi Inoue, como o primeiro campeão mundial de Othello da história, ao derrotar o norueguês Thomas Heiberg na final. Tivemos alguns campeonatos nacionais no decorrer dos anos, mais exatamente durante a década de 1980, Japão, Suécia e Itália por exemplo, despontavam nesse quesito. E para completar, sabemos que as competições em inúmeros países estão ai até hoje, principalmente os famosos e esperados Campeonatos Mundiais de Othello que se realizam uma vez a cada ano. Tivemos a criação da Federação Mundial de Othello em 2005 e, de mais um monte de outras federações e associações nacionais ao redor do mundo. Pois bem, essa parte da história talvez você já saiba, mas e a outra? Essa história começa em 1876 em Londres na Inglaterra, que foi o ano em quem John W. Mollett, através de uma empresa de brinquedos comercializou o jogo “Annexation”, jogo esse com a mesma dinâmica do nosso “Othello” porém, com um tabuleiro em formato de cruz. Anos depois Lewis Waterman, mais exatamente em 1883, também na mesma Londres, através da empresa Jacques & Son, comercializou um jogo muito similar ao de Mollett, com o nome “Reversi”, porém com um diferencial; esse tinha um tabuleiro igual aos de xadrez, 8x8 com 64 casas. A confusão estava armada! Começava ai uma guerra armamentista entre ambas as empresas e inventores, que motivou Mollett a recriar o seu jogo, agora com o mesmo tabuleiro 8x8 de Waterman mas o intitulando de “Annex – A game of reverses”, isso gerou processo de Waterman que acusou Mollett de plágio, depois de perder de início, Mollett ganhou na apelação, por dizer que o nome “reverses” diz respeito à natureza do jogo, e em nada ao nome do jogo de seu concorrente “Reversi”. A coisa toda foi longe e nunca entraram num consenso, teve até criação de livros com pseudônimos e, semi-plágio de títulos entre os livros, acreditem ou não. Pois bem, vamos pular toda essa confusão e vir até a era moderna de Hasegawa, e tentar responder o que de fato muda do jogo dos londrinos em relação a invenção de Hasegawa. No jogo de Waterman e Mollett, mesmo que eu reconheça que o jogo de Waterman acabou ficando mais famoso do que o jogo do seu compatriota, ao menos no quesito da ideia original por ter usado o tabuleiro 8x8 e não o em formato de cruz. Temos algumas diferenças conceituais com o Othello de Hasegawa e, já deixo aqui registrado que as evidências apontam que foi justamente Waterman quem possivelmente copiou primeiro a ideia de Mollett, e não o contrário. As diferenças entre o Reversi de Waterman e Mollett com o Othello de Hasegawa são:

1 - As peças no Reversi londrino são colocadas avulsas do início ao fim do jogo, não há peças centrais em diagonais pré-definidas como há no Othello de Hasegawa, o que de fato, como bem observado por entusiastas do jogo Othello, poderia criar diagramas paralelos de cores, o que estrategicamente defasaria o leque de possibilidades táticas e estratégicas em relação ao jogo Othello.

2 – Ao passar a vez no Reversi londrino, o jogo simplesmente acabava, coisa da qual não acontece no jogo de Hasegawa. De fato isso é um limitador, pois uma das estratégias mais lindas que há no Othello, se chama “Paridade” que tem maior clareza e predominância em um jogo onde haja continuação após o passe, coisa da qual no Reversi londrino é limitada, mesmo que o conceito de paridade em si, ainda possa existir.

 3 - A terceira característica que diferencia o jogo Othello do Reversi londrino é mais estética do que processual, que seriam as cores entre os tabuleiros, no Othello como dito acima, as peças são pretas e brancas em um tabuleiro verde, já o Reversi de Waterman, as peças são pretas e vermelhas em um tabuleiro bege, essa diferença pode ser menos impactual, desde que você sempre saiba que: “Não há jogo Othello oficial com outras cores, que não sejam as cores já descritas acima, a não ser em lançamentos pontuais com a cor de tabuleiro azul, por exemplo”, com isso, não haverá problema. Em compensação, a lista de “Reversis”, que de nada tem a ver com o Reversi londrino (Já chego lá) extrapola o leque de cores possíveis para peças e tabuleiros.


Bom, tirando essas diferenças, o Reversi londrino de Waterman, é quase exatamente o mesmo jogo do Othello de Hasegawa, o que fez quase 100% da comunidade de jogadores de Othello ao redor do mundo pensar sim, na possibilidade de Hasegawa ter tomado como base para a criação do seu jogo, o Reversi londrino, uma vez que o próprio pai de Hasegawa, o Sr. Shiro Hasegawa, era um especialista em literatura inglesa, ao que parece, pode ter tido conhecimento de jogos de tabuleiros tradicionais da terra da Rainha, por que não? Ou até mesmo, quem sabe, alguma das inúmeras versões de “Reversis” espalhadas pelo mundo. Poderia Hasegawa ter criado esse jogo sozinho e de forma espontânea sem nunca antes ter tido algum conhecimento do Reversi londrino? Sim, claro. É um jogo relativamente simples, com regras e estruturas simples. Mas o nível de semelhanças entre os jogos e todas as “pistas inglesas” em sua composição, nos induz a conjecturas diferentes ao que é dito oficialmente. Nunca saberemos com toda a certeza se essa história é real, uma vez que nada disso foi declarado oficialmente por Hasegawa ou órgãos como a Associação Japonesa de Othello, a empresa Tsukuda Original, tão pouco a poderosa Mega House, que é quem detém hoje em dia todos os direitos autorais de distribuição do jogo através do mundo. O fato é, que não há provas conclusivas de ambos os lados para afirmações contundentes, mas há uma tendência em alguns grupos ou sites oficiais, em apoiar unicamente a ideia de criação japonesa do jogo, ignorando totalmente a ideia de origem londrina. Ao que sabemos, essa história que trata da origem londrina, é sim a mais plausível de todas já contada sobre a real origem do jogo Othello. Hoje em dia inúmeros programadores criam seus apps e programas de “Reversi” para computadores ou celulares com as mesmas regras do jogo Othello (que sim foram criadas por Hasegawa) e, batizam esses apps e programas com o nome genérico “Reversi”, que inclusive  de nada tem a ver com o Reversi londrino em suas regras.  A meu ver, caso acreditasse firmemente que o atual jogo Othello não tivesse de fato nada a ver com o Reversi londrino, eu chamaria isso de injustiça ou plágio, mas como tudo indica o contrário disso, acho até bastante compreensiva essa apropriação da marca, acredito que a excelente tomada  de mercado que Hasegawa e seu pai tiveram para relançarem o jogo Reversi com uma nova roupagem, acaba por ser a mesma desses inúmeros programadores que hoje se apropriam dessas mesmas novas regras do Othello, para implementarem em seus softwares.  Ao que tudo indica, a ideia do Reversi londrino ser o ancestral do Othello, está no inconsciente coletivo de milhares de pessoas, que sobre nenhuma forma conseguem desassociar um jogo do outro. Pessoalmente eu tenho um certo respeito pelo Sr. Goro Hasegawa, pois sem ele é bem provável que o antigo jogo Reversi não teria tido êxito tantos anos depois de desaparecer. De certa forma, essa nova remodelagem que teve nas mãos de Hasegawa e, sem todo o trabalho e esforço do Sr. Hasegawa junto ao Sr. Jim Becker da Anjar.co, eu não teria conhecido esse jogo e tido um hobby tão maravilhoso quanto esse que é poder jogar Othello/Reversi e, fico feliz por isso, a isso não deixarei de ser grato. Como também não posso deixar de ser grato aos dois grandes londrinos, Mollett e Waterman, por nos deixarem essa herança tão linda, que serviria de base ao nosso atual Othello.

Finalizando, digo que o nosso queridíssimo Othello teve um ancestral inglês, com uma história confusa, mas no final bonita, de criação e continuação de uma tradição que por muitos anos, entreterá muitas pessoas ao redor do mundo.

Obrigado


Fontes:

Pressrelese - World Othello Championship 2017 (Download do Comunicado de Imprensa)

https://woc2017.worldothello.org/live-media/pressrelease

El Reversista - Historia del Reversi

https://sites.google.com/site/elreversista/historia

Fédération Français  d'Othello - Une Historie de 135 Ans (Comparação Entre os Tabuleiros)

http://www.ffothello.org/othello/histoire/

Anjar co. - Othello® - A Minute to Learn, A Lifitime to Master®

http://www.anjar.com/othello.htm